Via de la Plata: 25. Calzada de Valdunciel – Villanueva del Campeán. Somos uma equipa/ We are a team

PT /EN

Etapa 25: Calzada de Valdunciel –  Villanueva del Campeán (33,8 km)

No dia extra em Salamanca, aproveitei para estudar o percurso até Santiago e definir as minhas etapas, consoante as cidades onde queria parar, a existência de albergues, o número de quilómetros diários e o desnível apresentado, para ter uma ideia da data que chegaria ao fim. Claro que tudo isto poderá ser flexível, mas ajuda-me ter os objectivos diários para ir cumprindo e não prolongar demasiado no tempo esta peregrinação. Os rapazes viram o plano e gostaram, portanto, à partida, seguirão mais ou menos estas etapas. Gordon aproveita para finalmente marcar a sua viagem de regresso a casa logo no dia seguinte ao estipulado (devido a outros compromissos), portanto, para ele não haverá muita margem de manobra.

Mais um dia que começa entre campos e vou-me deixando ficar para trás. Quando os rapazes olham para mim e faço com a mão o sinal de “OK”, sabem que o faço propositadamente e seguirei ao meu passo.

Ao fim de uns 6 km, o trajecto aproximou-se da estrada nacional e da auto-estrada e a sinalização deixa dúvidas. Opto por um caminho paralelo à estrada nacional, mas que não me dá o conforto total.. se houvesse ali uma setinha, mudava tudo! Ao fim de poucos minutos, vejo os rapazes a voltarem para trás, também eles tinham optado por aquele percurso e estavam com dúvidas. Juntamos os guias de cada um e o resultado é o aumento das incertezas. Acabamos por ir para a 2ª opção. Andamos um pouco às voltas, era uma espécia de desvio  e muito mais à frente, voltamos ao trilho que estávamos a percorrer anteriormente. Afinal, qualquer uma das opções servia. Este incidente fez com que acabássemos o resto do tempo a caminhar juntos.

Seguem-se longas rectas, por sítios sem condições de descanso, nem uma pedrinha para se sentar, e sem sombras em mais um dia de calor, muito calor! Também os pés começam a se ressentir, assim como a perna, apesar de já ter tomado um analgésico. Começo, por isso, a pensar que farei menos quilómetros que o previsto e ficarei por El Cubo de la Tierra del Vino. Afinal para que serve ter feito o plano? Para modificá-lo, claro está!

É com este intuito que nos dirigimos ao albergue turístico (mais uma sugestão do Frank) e fico encantada com os cavalos e o acolhimento dos hospitaleiros. Ficamos a descansar no jardim por algum tempo e quando os rapazes se levantam para ir embora, também eu decido continuar. Aquela pausa fez milagres (ou finalmente a medicação começou a fazer efeito) e sinto que posso caminhar os 10 km em falta. Mais uma vez, ainda não foi desta a despedida!

Esta segunda parte do percurso é mais agradável, novamente de volta aos campos, mas com alguma sombra e mudança de paisagem, embora as longas rectas se mantenham. Numa das nossas pausas, sentamo-nos perto de flores “la jara”. Nas primeiras etapas da Via de la Plata é uma flor que aparece com abundância (afinal de contas, passamos por uma povoação que se chama El Real de la Jara), mas nos últimos tempos nunca mais a tinha visto.
Também no percurso, vejo umas pegadas diferentes, parece que voltarei a reencontrar o Chupito!

De tarde vamos ao bar, a única zona onde havia algum movimento. Somos servidos por uma senhora que se apresenta como a presidente da Junta! Uma bela surpresa! :)
No jardim em frente, conhecemos um casal de australianos que começaram a caminhar há poucos dias e dizem já ter encontrado 5 cobras, 2 delas esmagadas na estrada. Hmm, eu desde Sevilha só vi uma espalmada e foi o JB que chamou a atenção… Até fico contente por não ter encontrado mais vezes este animal em especial, mas não deixo de fazer mentalmente um apanhado rápido de todos os locais onde já me sentei para descansar, que é basicamente em todo o lado!
Os australianos também referem que hoje tiveram dúvidas no percurso na mesma zona que nós, mas eles optaram por uma terceira opção, percorrer a auto-estrada! Dizem que só se aperceberam de que estrada era aquela quando parou junto deles um carro da polícia para multá-los, mas em que em vez disso deram-lhes boleia até nova intercessão com o caminho (cerca de 6 km à frente). Nada mau! :)

Pontos finais: Por várias vezes pareceu-me que seria o último dia a caminhar com o Gordon e o António, mas aconteceu sempre alguma coisa que nos voltou a juntar. Iria ser assim até ao fim? Teria o Gordon razão quando disse que tiraríamos uma foto todos juntos em Santiago, à chegada? Eu duvidada, muitos quilómetros e etapas estavam ainda por percorrer. “Luisa, we are a team!” :)

Etapas Via de la Plata

LivroUm Caminho para Todos – Diário de uma peregrina no Caminho de Santiago, Via de la Plata e Camino Sanabrés

_________

EN

Stage 25: Calzada de Valdunciel –  Villanueva del Campeán (33,8 km)

(Translation in progress… google translation for now) :\

 In the extra day in Salamanca, took to study the way to Santiago and set my steps, depending on the cities where I wanted to stop, the existence of shelters, the number of daily kilometers and presented the gap, to get an idea of the date that come to end. Of course all this can be flexible, but it helps me to have daily goals to go fulfilling and not extend too much in time this pilgrimage. The boys saw the plan and liked it, so at the outset will follow more or less these steps. Gordon takes to finally mark his return trip home the very next day stipulated (due to other commitments), so for him there will be a lot of leeway.

Another day begins between fields and will be leaving me behind. When the guys look at me and do a hand signal “OK”, I know that I purposely and follow my step.

After about 6 km, the route approached the national highway and the highway and the signs leaves no doubt. I opt for a parallel path to the national road, but that does not give me total comfort .. if there there was a small arrow, it changed everything! After a few minutes, I see the boys back to back, also they had opted for that route and were in doubt. We join the guides of each and the result is the increased uncertainty. We ended up going to the 2nd option. We walked a little grappling, was a deviation Especia and more ahead, we return to the track we were to go earlier. After all, any of the options served. This incident made got rid the rest of the time to walk together.

Following are long straights, for sites without conditions of rest, or a pebble to sit, and no shadows in another day of heat, very hot! Also the legs begin to suffer, as well as the leg, despite having taken a painkiller. Beginning, so to think that I will do less kilometers than expected and will stay for El Cubo de la Tierra del Vino. After all what use have made the plan? To modify it, of course!

It is for this purpose that drove us to the tourist hostel (plus a hint of Frank) and I’m delighted with the horses and the reception of hospitable. We were resting in the garden for some time and when the boys get up to leave, also I decide to continue. That break did miracles (or eventually the medication took effect) and feel like I can walk the 10 km missing. Again, this has not been the farewell!

This second part of the journey is more enjoyable, again back to the fields, but with some shade and change of scenery, although the long straights remain. One of our breaks, we sat down near flowers “la jara”. In the early stages of the Via de la Plata is a flower that appears in abundance (after all, we passed a village called El Real de la Jara), but in recent times had never seen.
Also on the way, I see a different footprints, it seems that back to rediscover the Chupito!

In the afternoon we go to the bar, the only area where there was some movement. We are served by a lady who presents himself as the president of the Board! A nice surprise! :)

In the garden in front, we met a couple of Australians who began to walk a few days ago and say they have found five snakes, two of them crushed on the road. Hmm, I only saw one from Seville flattened and was the JB that caught the attention … until I’m glad I have not found more often this animal in particular, but not cease to mentally make a quick overview of all the places where I’ve had I sat down to rest, which is basically everywhere!

Australians also report that today had doubts along the way in the same area as us, but they chose a third option, go to the motorway! Say they became aware that the road was that when he stopped with them a police car to fine them, but that instead gave them a ride new intersection with the road (about 6 km ahead). Not bad! :)

Final thoughts: Several times it seemed that would be the last day hiking with Gordon and Antonio, but always something happened that returned us to join. It would be like this until the end? Gordon would have the right to say that we would draw out a picture all together in Santiago on arrival? I doubted, many kilometers and steps were still to go. “Luisa, we are a team!” :)

Stages of Via de la Plata

Book: A Camino for All – A Pilgrim’s Diary on the Camino de Santiago, The Via de la Plata and the Camino Sanabrés

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s